Aniversário

| 1 Comentário

Bem, se todas as coisas do mundo fossem corretas e organizadas, deveria ser obrigatório por lei incluir juntamente com os sobrenomes da família, o signo de cada um de nós. Afinal, tal medida facilitaria muito as coisas. Olharíamos no RG, na lista de alunos da nossa turma na faculdade ou nos perfis das redes sociais e estaria ali: João Sagitário dos Santos ou Amanda Alves de Libra e Silva. Pronto! Com isso, já anteciparíamos um milhão de “problemas”.

E por que diabos estou falando absurdos impensados como este? Simplesmente porque, ao longo destes meus trinta anos e alguns (poucos) dias, fui criado por uma senhora simpática do signo de Virgem. Aprendi aqui e ali a lidar com as variações de humor, o perfeccionismo nos detalhes, o planejamento de horas para o que irá fazer no minuto seguinte (e, por vezes, não faz) e, principalmente, a todo o cuidado que se deve ter com os sentimentos das virginianas.

Por estas coincidências do destino, encontrei na faculdade uma pessoa em que me apaixonei logo de cara (amor à primeira vista mesmo, sabe?). Com o passar do tempo, me senti atraído, encantado (como usávamos na época), me apaixonei no dia seguinte e em todos os outros desses mais de mil que se passaram até então…

Esta moça, de olhos grandes e simpáticos, também nasceu em Virgem e herdou da posição dos astros no dia do nascimento, várias características das quais listei acima. Seria difícil não me apaixonar segundo a psicologia que diz que procuramos como companheira alguém que seja a substituição da figura materna. Acho meio baboseira, mas acabou acontecendo.

Pois bem, hoje, entre as várias luas de virgem que pegam parte de Setembro, a vinte e oito anos atrás, nasceu a mulher que algum tempo depois se tornaria o amor da vida deste leonino (dos típicos) que vos escreve. No Natal, dei este pequeno espaço para ela e por isso o blog é dela e para ela. Hoje, como não poderia deixar passar, deixo mais este pequeno registro de como as coisas tem sido importantes e boas para mim ao lado dela.

Mensagens de texto nos uniriam ao mesmo tempo em que nos afastaram, os dias em que não nos vemos fazem bem ao passo que fazem um mal terrível. Os presentes são milimetricamente escolhidos, mas no fundo, não fazem diferença nenhuma no relacionamento que se construiu sobre várias utopias e históricas malucas mas hoje é a forma mais real e palpável de amor que já vi ou ouvi falar.

A moça regida por Mercúrio, como não poderia deixar de ser, é lógica, inteligente e extremamente comunicativa. Mas nem por isso deixa de ser doce, parceira, solícita, linda, cheirosa, bem humorada, elegante, moderna, etc. etc. etc…

Ela gosta das músicas que eu gosto, implica quando compro qualquer coisa, tem uma áurea iluminada, adora falar alto, tem um excelente gosto para artes, gosta de conversar sobre a vida antes do café da manhã, fala um inglês perfeito (mesmo tendo vergonha de usá-lo), briga quando eu falo por “apenas” oito minutos em uma ligação telefônica, gosta de praia tanto quanto eu, bebe cerveja e fala palavrão sem perder a elegância.

Hoje, é aniversário dela. O dia mais importante do ano para ela. Dia em que ela fica um pouquinho (um pouquinho só), mais velha.

Hoje, é o dia dela!

#felizaniversário

One Comment

  1. Lendo essas doces palavras! agora sei, porque minha linda e doce filha se apaixonou por esse cara que descreve o amor como os verdadeiros poetas. Sejam feliz sempre e não deixem de sentir essa doçura nos corações de vocês.

Deixe uma resposta

Campos requeridos estão marcados *.